Meningite: Cuidados e Prevenção

16 de janeiro de 2023
Compartilhe:

A meningite é uma doença que não afeta só crianças, pensando nisso, resolvemos explicar um pouco cada tipo e como se prevenir! Fique por dentro de todas as dicas para não ser pego de surpresa.

O que é a Meningite

Meningite é uma inflamação das meninges, que são as membranas que envolvem o cérebro e a medula espinhal. Pode ser causada por vírus, bactérias, fungos e outros agentes infecciosos.

O que são as meninges?

As meninges são as membranas que envolvem o cérebro e a medula espinhal. Existem três camadas de meninges: a dura-máter, aracnóide e pia-máter.

  • A dura-máter é a camada mais externa e é composta por tecido conjuntivo denso. Ela protege o cérebro e a medula espinhal de impactos externos.
  • A aracnóide é a camada intermediária e é composta por tecido conjuntivo frouxo. Ela contém uma fina camada de líquido cerebroespinhal que ajuda a amortecer o cérebro e a medula espinhal.
  • A pia-máter é a camada mais interna e é composta por tecido conjuntivo fino e sensível. Ela segue de perto as contours do cérebro e da medula espinhal, fornecendo nutrição e oxigenação para esses órgãos.

A meningite é uma inflamação dessas meninges, que pode ser causada por uma variedade de agentes infecciosos e outras condições. Pode ser uma condição potencialmente fatal, se não for tratada rapidamente.

Tipos de Meningite

Existem diferentes formas de meningite, dependendo da causa subjacente. Algumas das principais formas incluem:

Meningite bacteriana

É a forma mais grave e potencialmente fatal. Pode ser causada por várias bactérias, incluindo meningococo, pneumococo e haemophilus influenzae tipo b.

Sintomas

Os sintomas da meningite bacteriana podem incluir:

  • Dor de cabeça intensa e constante
  • Rigidez na nuca
  • Febre alta
  • Náusea e vômitos
  • Confusão, sonolência e alteração do estado mental
  • Dificuldade para se concentrar ou se manter alerta
  • Dificuldade para se mover ou sentir as pernas e braços
  • Fotofobia (sensibilidade à luz) e fonofobia (sensibilidade ao som)
  • Problemas de equilíbrio e coordenação
  • Escotomas (pontos cegos) ou outros problemas de visão
  • Convulsões
  • Manchas vermelhas ou roxas na pele (petéquias), especialmente no tronco, que podem ser um sinal de meningite meningocócica

É importante notar que os sintomas da meningite bacteriana podem variar e algumas pessoas podem não apresentar todos os sintomas. Além disso, os sintomas podem parecer similares aos de outras doenças, como a gripe ou o resfriado comum, por isso é importante procurar atendimento médico se você ou alguém que você conhece tiver sintomas suspeitos de meningite.

Tratamento

A meningite bacteriana é uma emergência médica que requer tratamento imediato. O tratamento geralmente inclui:

  • Antibióticos: são administrados para matar as bactérias que estão causando a infecção. Os antibióticos são geralmente administrados por via intravenosa e podem incluir penicilina, cefotaxima ou outros antibióticos específicos para o tipo de bactéria que está causando a meningite.
  • Corticosteroides: esses medicamentos podem ser administrados para reduzir a inflamação das meninges e ajudar a prevenir danos cerebrais.
  • Suporte de fluidos: pode ser necessário para repor líquidos e eletrólitos perdidos devido a febre, vômitos e diarreia.
  • Medicação para dor de cabeça e outros sintomas: analgésicos e anti-inflamatórios podem ser administrados para aliviar a dor de cabeça e outros sintomas.
  • Cuidados intensivos: as pessoas com meningite bacteriana podem precisar de cuidados intensivos, como monitoramento constante dos sinais vitais e suporte de ventilação mecânica, se ocorrer insuficiência respiratória.

É importante notar que a meningite bacteriana é uma emergência médica e requer atenção médica imediata. Se você ou alguém que você conhece tiver sintomas de meningite, é importante procurar atendimento médico imediatamente.

Meningite viral

É geralmente menos grave que a meningite bacteriana. Pode ser causada por vírus como o vírus da meningite meningocócica, o vírus do herpes e o vírus da meningite enteroviral.

Sintomas

Os sintomas da meningite viral podem ser semelhantes aos da meningite bacteriana, mas geralmente são menos graves. Os sintomas podem incluir:

  • Dor de cabeça
  • Rigidez na nuca
  • Febre
  • Náusea e vômitos
  • Fotofobia (sensibilidade à luz) e fonofobia (sensibilidade ao som)
  • Problemas de equilíbrio e coordenação
  • Escotomas (pontos cegos) ou outros problemas de visão
  • Convulsões
  • Dificuldade para se concentrar ou se manter alerta
  • Dificuldade para se mover ou sentir as pernas e braços
  • Algumas pessoas podem não apresentar sintomas evidentes

É importante notar que os sintomas da meningite viral podem variar e algumas pessoas podem não apresentar todos os sintomas. Além disso, os sintomas podem parecer similares aos de outras doenças, como a gripe ou o resfriado comum, por isso é importante procurar atendimento médico se você ou alguém que você conhece tiver sintomas suspeitos de meningite.

Tratamento

O tratamento da meningite viral geralmente é sintomático, ou seja, visando aliviar os sintomas e apoiar o organismo a combater a infecção. Algumas das medidas incluem:

  • Analgésicos para aliviar a dor de cabeça.
  • Anti-inflamatórios para reduzir a inflamação.
  • Reposição de líquidos e eletrólitos para prevenir desidratação.
  • Medicamentos para controlar a febre.
  • Descanso e repouso para ajudar o organismo a combater a infecção.
  • Se houver complicações, como a encefalite ou miocardite, o tratamento pode ser mais específico.

É importante que a pessoa com meningite viral seja hospitalizada, para que os sinais vitais sejam monitorados e para garantir que as necessidades de tratamento sejam atendidas. O tratamento geralmente dura cerca de 7 a 10 dias e a maioria das pessoas se recupera completamente.

É importante lembrar que a meningite viral é uma emergência médica, se você ou alguém que você conhece tiver sintomas suspeitos de meningite, é importante procurar atendimento médico imediatamente.

Meningite fúngica

É rara, mas pode ser fatal. É causada por fungos como a candida e aspergillus.

Sintomas

Os sintomas da meningite fúngica são semelhantes aos da meningite bacteriana, mas geralmente são mais graves. Os sintomas podem incluir:

  • Dor de cabeça intensa e constante
  • Rigidez na nuca
  • Febre alta e persistente
  • Náusea e vômitos
  • Confusão, sonolência e alteração do estado mental
  • Dificuldade para se concentrar ou se manter alerta
  • Dificuldade para se mover ou sentir as pernas e braços
  • Fotofobia (sensibilidade à luz) e fonofobia (sensibilidade ao som)
  • Problemas de equilíbrio e coordenação
  • Escotomas (pontos cegos) ou outros problemas de visão
  • Convulsões
  • Alterações da função respiratória
  • Algumas pessoas podem apresentar sinais de doença sistêmica como suor noturno, perda de peso e cansaço.

É importante notar que os sintomas da meningite fúngica podem variar e algumas pessoas podem não apresentar todos os sintomas. Além disso, os sintomas podem parecer similares aos de outras doenças, por isso é importante procurar atendimento médico se você ou alguém que você conhece tiver sintomas suspeitos de meningite.

Tratamento

O tratamento da meningite fúngica geralmente inclui o uso de antifúngicos. Os antifúngicos são medicamentos que matam ou impedem o crescimento dos fungos. O tipo de antifúngico utilizado e a duração do tratamento dependem do tipo de fungo causador da meningite. Alguns exemplos de antifúngicos utilizados para tratar meningite fúngica incluem:

  • Anfotericina B: é um antifúngico intravenoso que é amplamente utilizado para tratar a meningite fúngica.
  • Fluconazol: é um antifúngico oral que é usado para tratar a meningite fúngica causada por fungos sensíveis a ele.
  • Voriconazol: é outro antifúngico oral que é utilizado para tratar a meningite fúngica causada por fungos sensíveis a ele.

Além da medicação, o tratamento também pode incluir medidas para aliviar os sintomas e suportar a função dos órgãos afetados. O tratamento geralmente é administrados por via intravenosa e pode durar de algumas semanas a alguns meses. O tratamento da meningite fúngica requer hospitalização e monitoramento constante dos sinais vitais e dos níveis de função dos órgãos.

É importante que a meningite fúngica seja diagnosticada e tratada rapidamente, pois é uma condição potencialmente fatal se não for tratada.

Meningite tóxica

É causada por substâncias tóxicas como metanol, etanol e outras drogas.

Sintomas

Os sintomas da meningite tóxica podem variar dependendo da substância tóxica causadora, mas geralmente incluem:

  • Dor de cabeça intensa
  • Náusea e vômitos
  • Confusão e alterações do estado mental
  • Problemas visuais, como escotomas (pontos cegos)
  • Convulsões
  • Dificuldade para se mover ou sentir as pernas e braços
  • Problemas de equilíbrio e coordenação
  • Alterações da função respiratória

Os sintomas geralmente aparecem logo após a exposição à substância tóxica, mas podem aparecer tardiamente, dependendo da natureza da substância. Alguns exemplos de substâncias que podem causar meningite tóxica incluem metanol, etanol, e algumas drogas, como a cocaína.

É importante notar que os sintomas da meningite tóxica podem variar e algumas pessoas podem não apresentar todos os sintomas. Além disso, os sintomas podem parecer similares aos de outras doenças, por isso é importante procurar atendimento médico se você ou alguém que você conhece tiver sintomas suspeitos de meningite.

Tratamento

O tratamento da meningite tóxica também depende da substância causadora e pode incluir:

  • Remoção da fonte de toxicidade: é importante remover a pessoa da exposição à substância tóxica.
  • Diurese forçada: Pode ser necessário para remover a substância tóxica do organismo, através da urina.
  • Administração de antioxidantes e vitaminas: pode ser necessário para ajudar a prevenir danos celulares causados pela substância tóxica.
  • Medicação para controlar a pressão intracraniana: pode ser necessário se a pressão intracraniana estiver elevada.
  • Suporte de ventilação mecânica: pode ser necessário se houver insuficiência respiratória.
  • Cuidados intensivos: pode ser necessário para monitorar os sinais vitais e garantir que as necessidades de tratamento sejam atendidas.

É importante notar que a meningite tóxica é uma emergência médica e requer atenção médica imediata. Se você ou alguém que você conhece tiver sintomas suspeitos de meningite, é importante procurar atendimento médico imediatamente. Além disso, é importante fornecer informações precisas sobre a exposição à substância tóxica, para que os médicos possam identificar a substância causadora e fornecer o tratamento adequado.

Meningite granulomatosa

É uma forma rara e crônica de meningite, causada por inflamação granulomatosa. Pode ser causada por tumores, doenças autoimunes, infecções e outras condições.

Sintomas

A meningite granulomatosa é uma forma rara de meningite e os sintomas podem variar dependendo da causa subjacente, mas geralmente incluem:

  • Dor de cabeça
  • Rigidez na nuca
  • Febre
  • Náusea e vômitos
  • Fotofobia (sensibilidade à luz) e fonofobia (sensibilidade ao som)
  • Problemas de equilíbrio e coordenação
  • Escotomas (pontos cegos) ou outros problemas de visão
  • Confusão, sonolência e alteração do estado mental
  • Dificuldade para se concentrar ou se manter alerta
  • Dificuldade para se mover ou sentir as pernas e braços
  • Algumas pessoas podem não apresentar sintomas evidentes
  • Algumas pessoas podem apresentar sinais de doença sistêmica como suor noturno, perda de peso e cansaço.

É importante notar que os sintomas da meningite granulomatosa podem variar e algumas pessoas podem não apresentar todos os sintomas. Além disso, os sintomas podem parecer similares aos de outras doenças, por isso é importante procurar atendimento médico se você ou alguém que você conhece tiver sintomas suspeitos de meningite.

Tratamento

O tratamento da meningite granulomatosa depende da causa subjacente. Algumas opções de tratamento incluem:

  • Antibióticos: se a meningite for causada por uma infecção bacteriana, os antibióticos são usados para tratar.
  • Antifúngicos: se a meningite for causada por uma infecção fúngica, os antifúngicos são usados para tratar.
  • Imunomoduladores: se a meningite for causada por uma condição autoimune, os imunomoduladores são usados para tratar.
  • Cirurgia: em casos raros, a cirurgia pode ser necessária para remover tumores ou outras massas que estejam causando a meningite granulomatosa.

É importante notar que o tratamento da meningite granulomatosa pode ser desafiador, devido à sua natureza rara e ao fato de que as causas subjacentes podem ser difíceis de identificar. Por isso, é importante que a meningite granulomatosa seja diagnosticada e tratada rapidamente, pois é uma condição potencialmente fatal se não for tratada.

Como se prevenir da Meningite

Existem algumas medidas que você pode tomar para se proteger contra a meningite:

  • Vacinação: Existem várias vacinas disponíveis que podem ajudar a proteger contra a meningite causada por alguns tipos de bactérias, como a meningite meningocócica, o pneumococo e o haemophilus influenzae tipo b. É importante verificar com seu médico qual vacina é recomendada para você.
  • Higiene: praticar boa higiene pessoal, como lavar as mãos frequentemente e evitar compartilhar objetos pessoais, pode ajudar a prevenir a transmissão de bactérias e vírus que podem causar meningite.
  • Evite comportamentos de risco: Evite comportamentos de risco, como usar drogas intranasais ou ter relações sexuais sem preservativo, que podem aumentar o risco de contrair a meningite.
  • Atenção médica: Procure atendimento médico imediato se você ou alguém que você conhece tiver sintomas suspeitos de meningite. Quanto mais cedo a meningite for diagnosticada e tratada, melhores serão as chances de recuperação.
  • Limite a exposição ao fumo e ao tabagismo passivo, pois esta exposição pode aumentar o risco de desenvolver a meningite bacteriana.
  • Se você tem uma doença crônica, como asma, diabetes, doença renal, entre outras, é importante seguir as recomendações médicas, pois estas condições podem aumentar o risco de desenvolver a meningite.
  • Evite contato próximo com pessoas que estão com meningite ou outras doenças contagiosas, até que sejam curadas.

Como funciona a vacina da meningite

As vacinas contra a meningite funcionam estimulando o sistema imunológico a produzir anticorpos e células de memória contra as bactérias ou vírus que causam a meningite. Quando ocorre uma exposição real à bactéria ou vírus, o sistema imunológico reconhece e ataca esses agentes antes que eles possam causar uma infecção.

Existem várias vacinas disponíveis para prevenir a meningite. Algumas vacinas são específicas para determinadas bactérias, enquanto outras são mais amplas e protegem contra vários tipos de bactérias. Algumas vacinas são administradas por via oral, enquanto outras são administradas por via intramuscular.

A vacinação é a forma mais eficaz de prevenir a meningite e é recomendada para indivíduos de todas as idades, mas é especialmente importante para indivíduos em grupos de alto risco, como bebês, crianças, adolescentes e adultos jovens, pessoas com doenças crônicas, pessoas que viajam para áreas com alta incidência de meningite e pessoas que vivem em instalações comunitárias.

É importante notar que, mesmo que você tenha se vacinado, ainda pode haver uma chance de contrair a meningite, pois a vacinação nem sempre é 100% eficaz. Além disso, a vacinação só protege contra certos tipos de bactérias ou vírus, dependendo da vacina utilizada. Por isso, é importante continuar praticando boas medidas de higiene e evitando comportamentos de risco, mesmo após a vacinação.

Em geral, a vacinação é feita em uma série de doses, geralmente duas ou três doses para obter a proteção completa. A dosagem e o esquema de vacinação deve ser seguido de acordo com as recomendações do fabricante e as orientações do profissional de saúde.

É importante lembrar que a vacinação é uma forma importante de prevenir a meningite, mas é apenas uma das medidas de prevenção disponíveis e é importante seguir todas as medidas de prevenção recomendadas para minimizar o risco de contrair a doença.

Cuidados pós Meningite

Se você ou alguém que você conhece foi diagnosticado com meningite, é importante seguir as orientações do médico para garantir a recuperação completa e evitar complicações. Algumas medidas de cuidado pós-contágio incluem:

  • Internação hospitalar: é provável que a pessoa diagnosticada com meningite precise ser internada para receber tratamento adequado, como antibióticos, antifúngicos, antivirais, entre outros.
  • Medicamentos: é provável que a pessoa diagnosticada com meningite precise tomar medicamentos para tratar a infecção, aliviar os sintomas e prevenir complicações.
  • Repouso e descanso: é importante que a pessoa diagnosticada com meningite descanse o suficiente para ajudar o corpo a se recuperar.
  • Acompanhamento médico: é importante que a pessoa diagnosticada com meningite continue a ser acompanhada por um médico para garantir que a recuperação esteja ocorrendo de maneira adequada.
  • Cuidado com os sinais vitais: é importante monitorar os sinais vitais, como pressão arterial, frequência cardíaca e respiração, para garantir que eles estejam dentro dos limites normais.
  • Fisioterapia: pode ser necessário fazer fisioterapia para recuperar a força e a mobilidade depois de ter sido diagnosticado com meningite.
  • Evite contato com pessoas: é importante evitar contato próximo com outras pessoas até que a pessoa diagnosticada com meningite esteja completamente recuperada para evitar a transmissão da doença.
  • Acompanhamento psicológico: é importante buscar acompanhamento psicológico se necessário, para lidar com o impacto emocional da doença e ajudar a recuperação completa.
  • Atenção à saúde mental: é importante prestar atenção à saúde mental, pois a meningite pode causar ansiedade, depressão e outros problemas relacionados ao estresse.
  • Atenção às possíveis complicações: é importante estar atento a possíveis complicações da meningite, como problemas de audição, visão, aprendizado e memória, problemas neurológicos, entre outros, e buscar atendimento médico imediatamente se ocorrerem.

Lembrando que é sempre importante seguir as orientações do médico e do profissional de saúde para garantir a recuperação completa e evitar complicações, e que cada caso de meningite pode ter características específicas e o tratamento deve ser adaptado de acordo com essas características.

Assim como com qualquer doença, reforçamos: a prevenção é o melhor e maior remédio. Caso não tenha recebido nenhuma das doses citadas, não perca tempo e procure as vacinas mais próxima de você!

Redação BuscaVacinas
Redação BuscaVacinas

Falamos sobre Vacinação, Dicas de Cuidados com seus Pequenos e Informações utéis para o dia a dia de mamães e papais.

Receba em primeira mão ofertas e informações sobre vacinas para bebês e esquemas vacinais de todas as idades!

    Para otimizar sua experiência durante a navegação, fazemos uso de nossa Política de Privacidade. Para proteger seus dados pessoais respeitamos nossa Política de Privacidade. Ao seguir com a navegação e visita, você concorda com nossas Políticas.